Teoria quântica prediz que o futuro pode influenciar o passado

Esta teoria poderia explicar a possibilidade de comunicação em tempo real entre civilizações de planetas que estão a milhares de anos-luz de distância uns dos outros, derrubando assim as negações dos ‘professores da impossibilidade’, que dizem que a comunicação não pode exceder a velocidade da luz.

Um dos aspectos mais estranhos da mecânica quântica poderia ser explicado por uma ideia igualmente estranha, que a causação pode correr para trás no tempo, bem como para frente.

O que Einstein chamou de ação “assustadora” à distância poderia, teoricamente, ser uma evidência de retrocausalidade, que é o equivalente de partícula de você ter dor de estômago hoje, graças ao mau almoço de amanhã.

Teoria quântica prediz que o futuro pode influenciar o passado

Um par de físicos dos EUA e do Canadá examinaram mais de perto alguns pressupostos básicos na teoria quântica e decidiram, a menos que descobríssemos que o tempo necessariamente corre de uma maneira, as medições feitas para uma partícula poderiam ecoar para trás no tempo, bem como para frente.

Todos sabemos que a mecânica quântica é estranha. E parte dessa estranheza se resume ao fato de que em um nível fundamental, as partículas não agem como bolas de bilhar sólidas rolando sobre uma mesa, mas sim como uma nuvem borrada de possibilidades que se deslocam ao redor da sala.

Esta nuvem embaçada entra em foco quando tentamos medir partículas, o que significa que só podemos ver uma bola branca atingindo uma preta na caçapa do canto, e nunca incontáveis bolas brancas atingindo bolas pretas em cada bolso.

Há um argumento entre os físicos sobre se essa nuvem de possibilidades representa algo real, ou se é apenas uma representação conveniente.

Um físico chamado Huw Price afirmou em 2012 que se as probabilidades estranhas por trás dos estados quânticos refletem algo real, e se nada restringe o tempo em uma direção, a bola negra naquela nuvem de possibilidades poderia, teoricamente, sair da caçapa e derrubar a bola branca.

Price escreveu, parafraseando os pensamentos da maioria dos físicos:

“Os críticos apontam que existe uma simetria de tempo completa na física clássica e, no entanto, nenhuma retrocausalidade aparente. Por que o mundo quântico seria diferente?”

Matthew S. Leifer, da Universidade de Chapman, na Califórnia, e Matthew F. Pusey, do Perimeter Institute for Theoretical Physics, em Ontário, também se perguntaram se o mundo quântico pode ser diferente quando se trata do tempo.

A dupla trocou algumas das suposições de Price e aplicou seu novo modelo a algo chamado de teorema de Bell, o que é uma grande questão neste negócio de ação assustadora à distância.



John Stewart Bell disse que as coisas estranhas que ocorrem na mecânica quântica nunca podem ser explicadas por ações que ocorrem nas proximidades. É como se nada estivesse fazendo com que a multidão de bolas de bilhar tomassem caminhos tão variados. Em um nível fundamental, o Universo é aleatório.

Mas e as ações que acontecem em algum outro lugar… ou em algum outro quando? Alguma coisa distante influencia essa nuvem sem tocá-la, da maneira que Einstein a chamou de “assustadora”?

Teoria quântica prediz que o futuro pode influenciar o passado

Se duas partículas estiverem conectadas no espaço em algum ponto, medir uma propriedade de uma delas instantaneamente configura o valor para a outra, não importa onde no Universo ela se deslocou.

Esse “emaranhamento” foi testado várias vezes vez à luz do teorema de Bell, bloqueando lacunas que possam mostrar que eles realmente estão interagindo em um nível local de alguma forma, apesar do que parece ser uma distância.

Como você pode imaginar, o Universo ainda parece bastante assustador.

Mas se a causalidade correu para trás, significaria que uma partícula poderia levar a ação de sua medição de volta no tempo até quando estava emaranhada, afetando sua parceira. Não é necessária nenhuma mensagem mais rápida do que a luz. Essa é a hipótese que Leifer e Pusey estavam passando.

“Há um pequeno grupo de físicos e filósofos que pensam que essa ideia vale a pena perseguir”, disse Leifer a Lisa Zyga em Phys.org.

Ao reformular alguns pressupostos básicos, os pesquisadores desenvolveram um modelo baseado no teorema de Bell, onde o espaço foi trocado pelo tempo. Pelo seu julgamento, a menos que possamos mostrar por que o tempo deve sempre avançar, encontramos algumas contradições.

Não é necessário dizer que a ideia de retrocausalidade está na margem da ciência.

“Não existe, a meu conhecimento, uma interpretação geralmente acordada sobre a teoria quântica que recupera toda a teoria e explora essa ideia. É mais uma ideia para uma interpretação neste momento, então penso que outros físicos estejam corretamente céticos, e o ônus está sobre nós para provar esta ideia.”

Agora, lembre-se, esse tipo de viagem no tempo para trás não é o tipo que permitiria que você voltasse no tempo e conscientemente mudasse o presente. Os cientistas futuros também não poderão codificar números de loteria em elétrons emaranhados e enviá-los de volta para seus ‘eus’ mais jovens.

De qualquer forma, a ideia de qualquer coisa que goteja para trás no tempo pode não ser atraente, mas vamos reconhecer, quando se trata de fenômenos como o emaranhamento, quase qualquer explicação vai parecer francamente insana.


Fontes: sciencealert.com |