Grand Canyon; Gigantes e cidade subterrânea encontrada

O relatório mais famoso sobre gigantes e cidades subterrâneas apareceu no 05 de abril de 1909 edição do Arizona Gazette, intitulada “Explorations in Grand Canyon.” O explorador G. E. Kinkaid, enquanto praticavam rafting no Rio Colorado, descobriu um túnel que era a entrada para uma enorme “cidadela” subterrânea.

Explorando um túnel que se estendia por mais de um Km, Kinkaid encontrou esta cidadela, que estava cheia de escritas esculpidas parecida com algum tipo de hieróglifos, e abriga uma estátua de pedra que ele descreveu como semelhante a Buda. Armas de cobre cobriam as paredes, mas o aspecto mais intrigante desta antiga habitação / local de adoração / túmulo, foram as múmias, todas embrulhados em um tecido escuro.

Grand Canyon; Gigantes e cidade subterrânea - outromundo.net

Estas múmias supostamente tinham mais de 2,70m.  Para alimentar o fogo da conspiração, e para manter as pessoas longe das múmias da cidadela, o governo dos Estados Unidos supostamente teria fechado essa área do cannyon para visita do público.

Mas esta conhecida história não é a única que fala sobre gigantes americanos. O New York Times relatou um esqueleto de 2,70m de altura que um homem descobriu em um monte perto de Maple Creek, Wisconsin, em dezembro de 1897. O New York Times também trouxe a história “Estranhos Esqueletos Encontrados“, perto do Lago Delevan, Wisconsin, em 04 de maio de 1912. Os crânios de esqueletos gigantes escavados de um monte tinham semelhança com a cabeça do macaco.

Mas uma história de 09 de abril de 1885 no The New York Times intitulado: “A cidade enterrada do Missouri: Uma estranha descoberta numa mina de carvão perto de Moberly” revelaram um achado que antecedeu a suposta cidadela no Grand Canyon a 24 anos.

Grand Canyon; Gigantes e cidade subterrânea - outromundo.net

Moberly, a maior cidade de Randolph County, Missouri, tinha uma população de 6.108 na década de 1880. Os mineiros de carvão, descendo a 360 pés de profundidade, invadiu uma caverna revelando “uma cidade enterrada maravilhosa”, o artigo afirmou. Arcos de lava cruzavam  o teto da caverna, que paira sobre as ruas de uma cidade antiga.

“Os trabalhadores,  inspecionaram o local e encontraram uma sala de cerca de 30m x 10m na caverna cheia de bancos de pedra e ferramentas manuais e “estátuas e imagens feitas de uma composição muito parecida com bronze,  não polidos”.

Exploradores descobriram uma fonte de pedra em um amplo quintal, e que ainda derramar “água perfeitamente pura” em sua bacia. Mas era o que estava ao lado da fonte que interessou o povo que exploram o lugar.

“Deitado ao lado da fundação (da fonte) foram encontrados partes do esqueleto de um ser humano”, de acordo com o artigo. “Os ossos da perna medidos, o fêmur tinha mais de 1,2 metros, a tíbia 1,3m, mostrando que quando vivo o ser tinha três vezes o tamanho de um homem comum, e era possuidor de um poder muscular incrível e grande rapidez.

“Seu crânio, relata a história , foi quebrado; ferramentas de bronze, martelos, serras de granito metálicas e facas de sílex estavam espalhadas por todo lado. “Eles não estavam polidos, nem eram perfeitos, mas agora isso está nas mãos dos nossos melhores mecânicos. Porém  eles pareciam habilidosos e uma mostraram evidência de uma civilização avançada maravilhosa,” de acordo com o artigo.



Exploradores passaram doze horas na cidade enterrada e sairam somente depois do óleo de suas lâmparinas queimar todo” No fim a maravilha da descoberta foi alcançada”, o artigo afirma. “Uma outra pesquisa alargada será feita em um dia ou dois.” Não se tem registro de nenhuma pesquisa alargada posterior.

Grand Canyon; Gigantes e cidade subterrânea - outromundo.net

Dr. Tom Spencer, professor no departamento de História, Humanidades, Filosofia e Ciência Política da Northwest Missouri State University, disse que é porque após a impressão da história, os jornais tentaram esquecer. ” Na maioria das vezes eu acho que essas histórias foram escritas com base inteiramente em boatos e pouca ou nenhuma notificação direta no local”, disse ele. “Como a história cresceu, os detalhes foram ficando cada vez mais ultrajantes”.

Ele compara-o a um jogo infantil onde as crianças sentam em círculo e uma criança sussurra uma história no ouvido do outro e pelo tempo que a história completa o círculo, era completamente diferente. “Se você lembrar, por vezes, a “história final” tinha pouca semelhança com a história original “, disse ele. ” meu palpite é que um dos elementos dessa história é factual – como a formação do eixo de estranho ou um longo fêmur foi encontrado,  e tornou-se mais e mais embelezado conforme foi ingressando no círculo jornalístico”.

grandcanyon-cidade-05

Então, o que aconteceu com a fabulosa cidade enterrada sob Moberly, Mo?

“Havia histórias como esta periodicamente no momento e elas geralmente desapareceram em silêncio porque alguém vai investigar e não há nada para ele”, disse Spencer. “a fim de evitar o constrangimento do jornais simplesmente não dizer mais nada sobre isso. “

No entanto, o residente  de Moberly, John W. quer descobrir com certeza. ” Eu e vários amigos temos pesquisado o artigo arquivada no The New York Times”, disse John. “O artigo diz que os mineiros de carvão encontrar uma cidade de cristal com vários recursos avançados, bem como os ossos de que só pode ser chamado de um gigante.”

John e seu grupo para investigar a alegação de uma cidade subterrânea. “Nós descobrimos a mina. Nossas esperanças estão em tomar uma viagem de campo e encontrar a cidade subterrânea se pode acessar a partir da mina”, disse ele. ” Temos andado por la e o lugar existe . Você ainda pode ver os restos da antiga estrada de acesso através do campo. Afigura-se esta mina não está em uso desde o período  da notícia. “

Moberly é chamada de “A Cidade Mágica”. Esperemos que John e sua equipe possam descobrir o quão mágico ela realmente é.


Assista abaixo o vídeo OOPARTS

“Out of Place Artifacts” Mistério do Templo egípcio no Grand Canyon

(Ative as legendas e a tradução automática caso precisar)



Fonte: theseventales | Tradução: Marcos Metzdorf