Asgardia; Futura Nação Espacial lançará em breve seu primeiro satélite

Uma organização sem fins lucrativos chamada Asgardia está tentando formar a primeira nação no espaço. O projeto vai lançar um pequeno satélite em 2017 como um meio de estabelecer a sua presença em órbita. Centenas de milhares de pessoas ja se registraram para se tornarem cidadãos espaciais Asgardianos e  votar a favor ou contra em uma constituição já escrita.

No entanto, especialistas estão incertos se Asgardia poderia tornar-se uma nação, e não está claro como uma colônia espacial humana seria financiada. O Reino Espacial de Asgardia anunciou o que pode ser um passo significativo para tornar-se reconhecida como a primeira nação a orbitar a Terra.

asgardia-space-nation-orbital-colony-earth-illustration-002

Os fundadores da Asgardia, que foi nomeada baseada em Asgard, Cidade que existia nos céus, segundo a mitologia nórdica, esperam criar uma nação pacífica, autossuficiente que ira defender o planeta Terra de perigosas meteoritos , lixo espacial e outras ameaças. Eles anunciaram a existência de Asgardia em outubro de 2016, e, posteriormente, recebeu centenas de milhares de pedidos de cidadania.

Por enquanto, Asgardia é uma organização não-governamental sem fins lucrativos,  sediada em Viena, Áustria. O grupo tem como objetivo ajudar os seus cerca de 200.000 cidadãos futuros a formar um governo reconhecível, embora muitas etapas complexas permanecem antecedendo que Asgardia jamais poderia tornar-se uma verdadeira nação.

Mas os membros fundadores disseram durante uma conferência de imprensa no 13 de junho de 2017 em Hong Kong que eles vão lançar em breve o Asgardia-1: o primeiro satélite do proto-nação.

“A primeira presença da nação Asgardiana, podemos assim dizer, estará no espaço este ano”, Jeffrey Manber, o CEO de uma empresa de satélite chamada NanoRacks (que foi contratada para liderar o projeto Asgardia-1), disse durante a entrevista. Manber acrescentou que o satélite “pode vir a ser o mais importante e duradoura ideia em que estamos trabalhando.”

A sonda é um nano satélite, ou “NanoSat”, que terá o tamanho de um pedaço de pão. Ele vai pesar tanto quanto um bebê recém-nascido, e transportar dados enviados por cidadãos Asgardianos.

asgardia-space-nation-first-satellite-nanoracks

Uma ilustração da Asgardia-1 satélite que está sendo construído pela NearSpace Lançamento, Inc. Asgardia / NearSpace Lançamento, Inc.

O NanoSat vai lançar a bordo do Orbital ATK para a próxima missão da Estação Espacial Internacional (ISS) em 12 de setembro de 2017, andando dentro de uma nave espacial de carga que a NASA tem contratado para entregar suprimentos para os astronautas no espaço.

Uma vez que as docas da nave na estação espacial, a tripulação irá mostrar Asgardia-1 dentro de um distribuidor especial NanoSat e ejetá-lo em órbita.

O esforço está sendo financiada pelo membro fundador de Asgardia, Igor Ashurbeyli , um bilionário engenheiro aeroespacial russ, e contou em parte com Ram Jakhu, o diretor do Instituto de Direito Aéreo e Espacial da Universidade McGill.

“Asgardia será uma nação espacial que é uma entidade trans-étnica, trans-nacional, trans-religioso, ético, pacífica tentando unificar a humanidade no espaço”, disse Jakhu durante a entrevista.

Ele acrescentou que Asgardia vai começar como uma monarquia constitucional – um governo com um mandato legislativo, executivo e judiciário.

asgardia-space-station-mission-earth-protection-james-vaughan-002

Uma nação de piratas espaciais?

O NanoSat Asgardia-1, que está sendo construído por uma empresa em Indiana chamado NearSpace Launch , não vai fazer muito mais do que a orbitar a Terra. No entanto, isso vai levar uma unidade de 512-GB pré-carregado com dados selecionados pelos primeiros 1,5 milhões de cidadãos de Asgardia.

“Talvez a foto do seu pequeno gato ou do seu vizinho, de sua mãe, ou uma criança -. O que vier à sua mente, isto estará la por tanto tempo quanto Asgardia existir. Em outras palavras, para sempre,” disse Ashurbeyli durante a entrevista.

Embora Asgardia-1 irá abrandar na atmosfera superior da Terra e queimar-se dentro de cerca de cinco anos, Ashurbeyli disse esses dados dos cidadãos serão copiados para quaisquer futuros satélites Asgardianos e naves espaciais que vão para “a lua e em qualquer lugar no universo que Asgardia tenha vontade estar.”

Ashurbeyli disse que as primeiras 100.000 pessoas a serem verificadas através de um processo de quatro fases irão todos receber 300 kilobytes de espaço na unidade (que é menos do que uma moldura de um vídeo DVD típico). Os próximos 400.000 cidadãos irão todos receber 200 kilobytes, e os milhões finais irão todos receber 100 kilobytes de espaço.



Como parte do processo de verificação, os cidadãos candidatos tinham até 18 de junho para votar “sim” (ou se abster em) a uma nova e preliminar Constituição . Se o fizerem, eles seriam autorizados a fazer upload de seus dados para Asgardia-1 antes do lançamento este ano.

future-human-evolution-permanent-space-colony-1

Sem esta Constituição, seríamos uma nação falsa – um jogo de computador sofisticado – e isso não é o que nós queremos“, disse Ashurbeyli, que será o cabeça da nação de Asgardia até que o meio de eleição de um líder é determinado . “Queremos construir uma séria e legítima primeira nação espaço, independente, que será reconhecida pelos Estados, da Terra e as Nações Unidas, e que está voltado para seu desenvolvimento no espaço.

Como escritor Mark Harris relatou no site Motherboard , no entanto, a ONU pode se recusar a conceder esse reconhecimento. o Business Insider havia contactado anteriormente o Gabinete das Nações Unidas para Assuntos do Espaço Exterior (UNOOSA) para esclarecimentos sobre se leis espaciais atuais permitiriam a existência de uma nação espaço, mas representantes UNOOSA não respondeu a consulta. Em vez disso, eles nos enviaram  textos de cinco tratados da ONU que regem as atividades no espaço exterior.

Frans von der Dunk, um especialista em direito espacial da Universidade de Nebraska, disse a escritora Sarah Fecht da Popular Science no ano passado que “contanto que ninguém vá para o espaço, você pode ter tantas assinaturas quanto quiser, mas você não é um estado “.

Harris também observou que o armazenamento de dados privados no espaço pode eventualmente abrir questões legais e éticas para Asgardia. Sua constituição, por exemplo, faz referências “a imunidade de segredos comerciais” e permite a criação de suas próprias leis.

Mark Sundahl, um professor de direito espacial no Cleveland – Marshall College of Law, disse ao site Motherboard que isso poderia permitir a Asgardia “criar leis nacionais para proteger sua nação a partir de qualquer intimações solicitando informações do banco” e que, se isso vier para passar, “se tornaria uma nação bancária desonestas.” Em suma: os cidadãos da Asgardia pode ser capaz de formar uma nação de piratas espaciais.

Para o lançamento do Asgardia-1, no entanto, o satélite será obrigado a cumprir  a lei norte-americana porque NanoRacks e Orbital ATK são empresas americanas e estão lançando a bordo de uma missão da financiada pela NASA.

asgardia-space-nation-colony-inside-illustration-002

Como construir uma nação no espaço:

Asgardia-1 é um pequeno começo para o proto-nação. Seus fundadores, eventualmente, querem colocar as pessoas em uma embarcação que irá servir como um ponto de apoio para habitação.

“Vamos começar pequenos e, eventualmente, as pessoas irão até lá, e trabalhar, e ter suas próprias regras e regulamentos … Esta instalação irá tornar-se uma nação independente,” Jakhu disse anteriormente a Business Insider.

Nenhum detalhe público existe ainda, como o início da colônia pode parecer, quão grande ela vai ser, ou quanto irá custar.

No entanto, a construção de estações espaciais de qualquer tamanho ou tipo, somado ao compromisso de colocar seres uma colônia de seres humanos vivendo nela, é uma proposta muito, muito cara . O ISS que é do tamanho de um campo de futebol, por exemplo, moveu 18 nações e precisou de cerca de $ 100 bilhões para ser construída. Enquanto isso, o passeio mais barato para orbitar a terra hoje, é o foguete Falcon 9 da SpaceX, que custa cerca de $43 milhões de dólares.

Timothy Wild, porta-voz do projeto Asgardia, disse anteriormente ao Business Insider que não iria revelar planos de financiamento da organização ou níveis, mas Ashurbeyli alegou que tinha colocado uma quantidade substancial de dinheiro (via sua empresa, a International Aerospace Research Center) para começar o projeto Asgardia.

Jakhu e os organizadores de Asgardia têm atraído muitas críticas, e tem sido comparado com o descarrilhado projeto da NASA – um esforço para estabelecer astronautas no planeta vermelho (que várias investigações sugerem carece de financiamento, recursos humanos, e experiência para realizar o feito) . No entanto, Jakhu e Wild apontam que tentar formar a primeira nação espaço, a um par cem milhas acima da Terra é diferente do que tentar colonizar Marte .

Qualquer um que tente coisas “out-of-the-box” ou “fora da caixa” é inicialmente ridicularizado“, disse anteriormente Jakhu . “Tudo isso é incrível e começa com uma ideia louca. Depois de um tempo, ficção científica torna-se fato da ciência, e esta é uma ideia que está apenas começando.

E ai caro leitor, o que acha da ideia de morar no espaço em uma nação justa e próspera para todos? Você pode inscrever-se como cidadão asgardiano clicando AQUI.


Fontes: asgardia.space | businessinsider | motherboard.vice.com | Tradução: Marcos Metzdorf